No treino de Gabriel em Baleal, um bate-papo com Charles Rodrigues

medina_acervo1

Fotos de arquivo gentilmente cedidas por Aleko Stergiou

A vida nunca foi fácil, e-xa-ta-men-te como a de qualquer brasileiro de origem simples. Aos três anos, como uma brincadeira de criança, Gabriel Medina foi catar latinha na rua para ajudar a mãe. Na tal “brincadeira”, já se via no pequeno o espírito protetor e a adoração pela família.

Simone Medina é o porto seguro. Aos 20 anos e prestes a conquistar o maior feito esportivo em sua carreira, Gabriel diz “sim senhora” e “não senhora” sem problema nenhum! Veio dela a simplicidade de assumir com orgulho a origem, religião, o ser quem se é, doa a quem doer.

Simone fez faxina para criar os dois filhos pequenos, a dificuldade uniu ainda mais a família. Charles Rodrigues – o padrasto, pai, amigo, técnico -, era o elo que faltava. Chegou pra somar e logo a família aumentou com a Sophia, a grande paixão de Gabriel.

Fotos: Aleko Stergiou
Vitória no Hang Loose Surf Attack, em 2006, no Guarujá

Estava formado então um time. Aos nove anos num dia de diversão na praia em Maresias, Gabriel vai brincar com a prancha de Charles. “Foi ali que eu vi a garra do moleque, ele tinha vontade, talento e sempre detestou perder, nasceu para as ondas”, conta Charles.

Ainda hoje Gabriel brinca sobre as ondas, encanta gerações e arrebanha um lote de pelos menos 10 gigantes patrocinadores: montadora de carro, empresa de telefonia, bebidas e por aí vai.

Já se fala em livro e até filme. É justo, ele tem o que contar.

Charles me contou que Gabriel ainda não se deu conta de tudo isso. Ele disse para o padrasto: “Eu estou bem, não se preocupe”.“Aqui em Portugal ou no Havaí, não importa, estamos prontos! O título virá”, finaliza Charles com determinação.

Fotos: Aleko Stergiou

[divider type=”short”]

[intro-text size=”25px”]CURIOSIDADE: Charles me disse que tem muitas, muitas, muitas superstições e confessou uma delas: “quando cismo que um óculos não dá sorte naquele dia eu boto no bolso e fico assim o campeonato inteirinho, sem enxergar nada até o ultimo dia”.[/intro-text]

facebooktwittermail

2 thoughts on “No treino de Gabriel em Baleal, um bate-papo com Charles Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *